Trauma e exílio em «Tropical sol da liberdade», de Ana Maria Machado, e «Pedaço de santo», de Godofredo de Oliveira Neto

Autores

  • Zuzana Burianová

DOI:

https://doi.org/10.53943/ELCV.0222_38-52

Palavras-chave:

Brasil, ditadura militar, trauma, exílio

Resumo

A finalidade do presente artigo é analisar a representação das vivências traumáticas relacionadas com a problemática do exílio e com a violência do Estado, durante a ditadura militar brasileira, nos romances Tropical sol da liberdade (1988), de Ana Maria Machado, e Pedaço de santo (1997), de Godofredo de Oliveira Neto. O artigo chama igualmente a atenção para as diferentes perspectivas que as narrativas apresentam em relação ao período ditatorial e à problemática da luta armada, devido ao momento histórico em que foram publicadas. A análise das obras apoia-se em estudos teóricos sobre o exílio (T. W. Adorno, E. W. Said e P. Freire) e sobre o trauma da tortura (M. Viñar e A. G. Martín).

Referências

Impressas

Adorno, T.W. (2001). Minima moralia: Reflexões a partir da vida danificada. (Trad. de A. Morão). Edições 70. Lisboa

Dalcastagnè, R. (1996). O espaço da dor: O regime de 64 no romance brasileiro. Editora Universidade de Brasília. Brasília

Figueiredo, E. (2017). A literatura como arquivo da ditadura brasileira. 7 Letras. Rio de Janeiro

Franco, R. (1998). Itinerário político do romance pós-64: A festa. Fundação Editora da UNESP. São Paulo

Machado, A.M. (2005). Tropical sol da liberdade. Nova Fronteira. Rio de Janeiro

Neto, G. O. (1997). Pedaço de santo. Nova Fronteira. Rio de Janeiro

Neto, G. O. (2011). Amores exilados. Record. Rio de Janeiro

Said, E. W. (2003). Reflexões sobre o exílio. Em: E.W. Said. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. (Trad. de P. M. Soares). Companhia das Letras. São Paulo

Said, E. W. (2005). Representações do intelectual: As Conferências Reith de 1993. (Trad. de M. Ha-toum). Companhia das Letras. São Paulo.

Digital

Frederico, G. M. (2017). Ausências e silenciamentos: A ética nas narrativas recentes sobre a ditadura brasileira. Tese de Mestrado em Literatura. Universidade de Brasília. Brasília. 105 pp. Acedido em 30 de junho de 2022, em: https://repositorio.unb.br/bits-tream/10482/24186/1/2017_GrazieleMeire-Frederico.pdf

Freire, P. (1992). Pedagogia da esperança: Um reencontro com apedagogia do oprimido. Paz e Terra. São Paulo. Acedido em 30 de junho de 2022, em: https://filosoficabiblioteca.files.wordpress.com/2021/11/paulo-freire-pedagogia-da-esperanca.pdf

Jobim, J. L. (2020). Migrações políticas nas narrativas de Milton Hatoum e Godofredo de Oliveira Neto. Araticum, 21 (1): 122-143. Acedido em 30 de junho de 2022, em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/araticum/article/download/2734/2701;Martín, A.G. (2005). As seqüelas psicológicas da tortura. Psicologia: Ciência e Profissão, 25 (3): 434-449. Acedido em 30 de junho de 2022, em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pcp/v25n3/v25n3a08.pdf

Perlatto, F. (2017). História, literatura e a ditadura brasileira: Historiografia e ficções no contexto do cinquentenário do Golpe de 1964. Estudos Históricos, 30 (62): 721-740. Acedido em 30 de junho de 2022, em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/ar-ticle/view/69138

Vargas, A. Q. de e Umbach, R. (2013). O ressentimento dos exilados em Tropical sol da liberdade, de Ana Maria Machado: Uma questão sensível. Estação Literária, 10B: 81-97. Acedido em 30 de junho de 2022, em: https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/estacaoliteraria/ar-ticle/view/25761/18756

Viñar, M. (2014). Falar da tortura não é falar do torturado e da vítima, é falar da sociedade que é capaz de torturar. Entrevista a A. F. Junior em 21/08/2008. Olho d ?Água, 6 (1): 142-156. Acedido em 30 de junho de 2022, em: http://www.olhodagua.ibilce.unesp.br/index.php/Olhodagua/article/viewFile/255/238

Downloads

Publicado

29-12-2022