A legislação pombalina e sua mitologia: O caso das reformas educativas e linguísticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53943/ELCV.0123_66-79

Palavras-chave:

Ensino de línguas, legislação pombalina, marquês de Pombal, mitologia

Resumo

Este artigo analisa a legislação pombalina referente ao ensino de línguas, com o objetivo de evidenciar o modo como a construção discursiva da noção de uma Europa polida e civilizada, ao contrapor-se ao alegado atraso da administração temporal e pedagógica dos Jesuítas, articula-se com uma mitologia que se apresenta como um arsenal léxico-discursivo composto de algumas palavras-chave grafadas com maiúsculas que dão sustentação à noção do «moderno», recorrendo ao mito da Idade de Ouro (Eliade, 2000), isto é, à invenção de uma tradição gloriosa do povo lusitano antes da chegada da Companhia de Jesus.

Referências

Impressa

Anderson, B. (2008). Comunidades imaginadas: Reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. (Trad. de Denise Bottman). Companhia das Letras. São Paulo

Andrade, A. A. B. de (1978). A reforma pombalina dos Estudos Secundários no Brasil. Saraiva/Ed. da Universidade de São Paulo. São Paulo

Andrade, A. A. B. de (1981). A reforma pombalina dos estudos secundários: Contribuição para a História da Pedagogia em Portugal. Por Ordem da Universidade. Coimbra

Andrade, A. A. B. de (1982). Contributos para a História da Mentalidade Pedagógica portuguesa. Imprensa Nacional-Casa da Moeda. Lisboa

Assunção, C. da. C. (1997). Uma leitura da introdução da Arte da Grammatica da Lingua Portugueza de Reis Lobato. Revista da Faculdade de Letras: Línguas e Literaturas, XIV: 165-181

Auroux, S. (1992). A revolução tecnológica da gramatização. (Trad. de Eni Puccinelli Orlandi). Editora da Unicamp. Campinas

Barthes, R. (2007). Mitologias. (Trad. de José Augusto Seabra). Edições 70. Lisboa

Bilac, O. (1978). Poesias. Edições de Ouro. São Paulo

Branco, C.C. (1882). Pefil do Marquez de Pombal. Clavel&Cia/L. Couto&Cia. Porto/Rio de Janeiro

Carvalho, L. R. de (1978). As reformas pombalinas da instrução pública. EDUSP/Saraiva. São Paulo

Collecção da legislação portugueza desde a ultima compilação das ordenações oferecida a El Rei Nosso Senhor pelo desembargador Antonio Delgado da Silva. Legislação de 1763 a 1774 (1829). Typ. de L. C. da Cunha. Lisboa

Collecção da legislação portugueza desde a ultima compilação das ordenações, redigida pelo desembargador Antonio Delgado da Silva. Legislação de 1750 a 1762 (1830). Typographia Maigrense. Lisboa

Coleção das leis do Imperio do Brasil de 1827 (1878). Typographia Nacional. Rio de Janeiro

Chervel, A. (1990). História das disciplinas escolares: Reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, 2: 177-229

Darnton, R. (2005). Os dentes falsos de George Washington: Um guia não convencional para o século XVIII. (Trad. de José Geraldo Couto). Com¬panhia das Letras. São Paulo

Eliade, M. (2000). Aspectos do mito. (Trad. de Manuela Torres). Edições 70. Lisboa

Falcon, F. J. C. (1993). A época pombalina. (2.ª ed.). Ática. São Paulo

Férrer, F. A. (1998). O obscurantismo iluminado: Pombal e a instrução em Portugal e no Brasil. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo

Franco, J. E. (2006b). O mito dos Jesuítas em Portugal, no Brasil e no Oriente (séculos XVI a XX). Gradiva. Lisboa. Vol. 1

Instrucçoens para os professores de Grammatica Latina, Grega, Hebraica, e de Rhetorica, ordenadas, e mandadas publicar por El Rey Nosso Senhor, para o uso das escolas novamente fundadas nestes reinos, e seus dominios (1759). Offic. de Miguel Rodrigues. Lisboa

Malagrida, G. (1756). Juizo da verdadeira causa do terremoto, que padeceo a corte de Lisboa, no primeiro de novembro de 1755. Offic. de Manoel Soares. Lisboa

Maxwell, K. (1996). Marquês de Pombal: Paradoxo do Iluminismo. (Trad. de Antônio de Pádua Danesi). Paz e Terra. Rio de Janeiro

Oliveira, C. M. e Medeiros, R. P. de (org.). (2007). Novos olhares sobre as capitanias do Norte do Estado do Brasil. Editora da UFPB. João Pessoa

Oliveira, L. E. (org.). (2022). A legislação pombalina sobre o ensino de línguas: Suas implicações na educação brasileira (1757-1827). Criação/Theya. Aracaju/Lisboa

Pereira, D. (2009). O português e os crioulos: Políticas de língua [sécs. XIX e XX]. Em: Fernandes, H., Henrique, I. C., Horta, J. da. S. e Matos, S. C. (eds.). Nação e identidades: Portugal, os portugueses e os outros. Centro de História da Universidade de Lisboa/Caleidoscópio. Lisboa

Rosário, M. da P. do (1995). Língua e Inquisição no Brasil de Pombal. (Atualização ortográfica de José Pereira da Silva). Editora da UERJ. Rio de Janeiro

Sylva, J. de S. da (1767). Deducção chronologica, e analytica. Offic. de Miguel Manescal da Costa. Lisboa. 3 Vols.

Verdelho, T. (1982). Historiografia linguística e reforma do ensino. A propósito de três centenários: Manuel Álvares, Bento Pereira e Marquês de Pombal. Brigantina, 2 (4): 347-356

Verney, L. A. (2018). Verdadeiro método de estudar. Em: Franco, J. E. e Fiolhais, C. (dirs.). Obras pioneiras da cultura portuguesa - Primeiro tratado pedagógico. Círculo de Leitores. Lisboa. Vol. 27

Vincent, G., Lahire, B. e Thin, D. (2001). Sobre a História e a Teoria da forma escolar. (Trad. de Diana Gonçalves Vidal, Vera Lúcia Gaspar da Silva e Valdeniza Maria da Barra). Educação em Revista, 33: 7-47

Digital

Franco, J. E. (2006a). A ideia de Europa nas reformas pombalinas da educação. Anais do VI Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, 17 a 20 de abril de 2006. Uberlândia. Acedido a 10 de janeiro de 2022. Em: http://www.faced.ufu.br/colubhe06/anais/arquivos/590jose_eduardo_franco.pdf

Downloads

Publicado

30-06-2023