Calisto Elói e Policarpo Quaresma ou o confronto (quixotesco) com a modernidade

Autores

  • Sérgio Guimarães de Sousa Universidade do Minho

DOI:

https://doi.org/10.53943/ELCV.0219_16

Palavras-chave:

Camilo Castelo Branco, Barreto Lima, quixotismo, sátira

Resumo

Tanto A Queda dum Anjo(Camilo Castelo Branco) como Triste Fim de Policarpo Quaresma (Lima Barreto) atualizam a figura de Quixote. Neste artigo, procura-se recensear os aspetos definidores do quixotismo dos protagonistas, num primeiro momento, e o alcance satírico desse quixotismo; para, depois, enfatizar o que distingue Calisto e Policarpo, extraindo consequências dessa distinção.

 

 

Referências

Balzac, H. de. (1976). Le curé de Tours. Gallimard. Paris

Barreto, L. (2001). Triste fim de Policarpo Quaresma (Pref. de Ivan Teixeira). Ateliê Editorial. São Paulo

Barreto, L. (2006). Prosa seleta. (Org. de Eliane Vasconcellos). Editora Nova Aguilar. Rio de Janeiro

Bosi, A. (s. d.). A literatura brasileira: O pré-modernismo. Editora Cultrix. São Paulo. Vol. V

Castelo Branco, C. (1976). A queda dum anjo. A. M. Parceria. Lisboa

Eagleton, T. (2010). O problema dos desconhecidos: Um estudo da ética. Civilização Brasileira. Rio de Janeiro

Elliot, T. S. (2003). La unidad de la cultura europea: Notas para la definición de la cultura. Instituto de Estudios Europeos y Ediciones Encuentro. Madrid

Hegel, G. W. F. (1976). Princípio da filosofia do direito. Guimarães Editores. Lisboa

Hegel, G. W. F. (1985). Lectures on the Philosophy of Religion: The Consummate Religion. University of California Press. Berkley. Vol. III

Hegel, G. W. F. (1989). Propedêutica filosófica. Edições 70. Lisboa

Lacan, J. (1975). Le séminaire, livre XX: Encore. Éditions du Seuil. Paris

Lopes, O. (2007). Ensaios camilianos. (Pref. e notas Luís Adriano Carlos). Fundação Engenheiro António de Almeida. Porto

Mattos, R. P. de. (1878). Manual bibliográfico português de livros raros, clássicos e curiosos. (Rev. e pref. Camilo Castelo Branco). Livraria Portuense Editora. Porto

Silvestre, O. M. (2004). Obras e cópias: Versões da ironia em Bouvard et pécuchete n’A correspondência de Fradique Menes. Em: C. M. de Sousa e R. Patrício (eds.). Largo mundo alumiado: Estudos em homenagem a Vítor Aguiar e Silva. Centro de Estudos Humanísticos, Universidade do Minho. Braga. Vol. 2

Steiner, G. (1993). La morte de la tragédie. Gallimard. Paris

Vieira, M. A. C. (2002). Escritura cervantina e mito quixotesco no romance brasileiro. Hispania. 85 (3): 455-465

Wasserman, R. R. M. (1992). Lima Barreto, the text and the margin: On Policarpo Quaresma. Modern Language Studies. 22 (3): 53-69

Žižek, S. e Daly, G. (2006). Arriscar o impossível: Conversas com Žižek. Livraria Martins Fontes Editora. São Paulo

Žižek, S. (2006). Elogio da intolerância. Relógio D’Água. Lisboa

Žižek, S. (2013). Alguém disse totalitarismo: Cinco intervenções no (mau) uso de uma noção. Boitempo. São Paulo

Žižek, S. (2017). Interrogando o real. Autêntica Editora. Belo Horizonte

Downloads

Publicado

17-12-2019