Exílio, memória e melancolia em «Hanói», de Adriana Lisboa

Autores

Palavras-chave:

Adriana Lisboa, refugiados, exílio, memória

Resumo

Partindo de um balanço sobre acontecimentos históricos, sobretudo nos séculos xx e xxi, que provocaram imensuráveis deslocamentos de seres humanos, este artigo propõe-se a analisar a «escrita migrante» de Adriana Lisboa, no romance Hanói, a partir de reflexões sobre exílio, transculturalidade, memória, pós-memória e melancolia, aspectos presentes nas personagens deslocadas ou herdeiras de traumas familiares. Hanói é um romance que traz a complexidade desses trânsitos humanos, as implicações advindas da desterritorialização e da convivência com outras culturas e as experiências de estranhamento, com destaque, no caso, para refugiados do Vietnã nos EUA, os quais precisam se adaptar a uma cultura e idioma muito diferentes dos seus.

Downloads

Publicado

30-06-2022

Edição

Secção

Artigos Multitemáticos